Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Vidro: adaptável, multifuncional e amigo do ambiente

Rui Oliveira é o operations and sales manager da Saint Gobain Glass Portugal e, nesta entrevista, fala da importância do vidro enquanto material reciclável, adaptável e ainda com muita margem para evoluir. Sendo 2022 o Ano Internacional do Vidro, é o momento para analisar este material e todas as suas aplicações. A Saint Gobain trabalha diariamente na pesquisa, desenvolvimento e aperfeiçoamento do comportamento e das aplicações deste material, como salienta Rui Oliveira.

A Saint Gobain Glass está em Portugal desde 1987. Desde essa altura até aos dias de hoje, como tem sido a evolução deste setor?

A evolução tem sido muito significativa em termos de quantidades, mas também no que toca a soluções com performance incomparavelmente superior. A superfície de vidro incorporada nos edifícios aumentou significativamente desde então, tanto em fachada como em aplicação de interiores. Também o tipo de soluções disponíveis já não tem nada a ver com o que tínhamos há uns anos. Hoje em dia, é impensável colocar uma solução numa janela que não seja no mínimo em vidro duplo (DGU). Por outro lado, a exigência da regulamentação
atual, no que concerne aos edifícios, bem como a exigência e conhecimento do consumidor final, levaram a uma evolução muito significativa no setor.

Que produtos desenvolvem, que gostasse particularmente de destacar?

Destacaria os nossos produtos de controlo solar, cujas gamas SGG COOL LITE XTREME e SGG COOL LITE SKN, quando incorporadas em unidades de vidro duplo (DGU) ou até em vidro triplo (TGU), são o expoente máximo, pela sua alta seletividade, ou seja, o excelente rácio entre a luz e a energia que efetivamente entra para o interior do edifício, sempre mantendo o máximo de neutralidade (transparência). Também os vidros inteligentes da gama SGG SAGE GLASS, que adapta a tonalidade em função da altura do dia ou das condições de luminosidade ou, ainda, controlado remotamente. Isto permite ter quase o controlo total do comportamento da fachada em vidro.

Onde se aplica, atualmente, o vidro?

O vidro tem vindo a ocupar um lugar cada vez mais importante nos edifícios. Este material responde ao paradigma de se conseguir ter conforto e segurança, mas desfrutando de luz natural. Os vãos envidraçados têm vindo a aumentar consideravelmente, tanto em edificação residencial (janelas), como não residencial (fachadas). As divisórias interiores, decorativas ou funcionais, os revestimentos de cozinhas, as aplicações para banho e as proteções de varandas também se constituem cada vez mais em vidro. Nos espaços públicos, as soluções em vidro também têm crescido significativamente, fruto do desenvolvimento de produtos cada vez mais robustos e com o nível de segurança exigido por este tipo de espaços.

Uma área de bastante importância, nestes dias, é a sustentabilidade ambiental. O vidro pode, também ele, ser um material amigo do ambiente?

O vidro é um material amigo do ambiente, e consegue este estatuto tanto na parte da sua
utilização como no seu fabrico! As nossas gamas de vidros com capa de controlo solar (SGG COOL LITE XTREME e SKN) e baixa emissividade (SGG PLANITHERM), permitem reduzir
significativamente o consumo de energia pois, devido à sua neutralidade (transparência), evitam utilizar a luz artificial em grande parte do dia, ao mesmo tempo que reduzem a necessidade da utilização massiva de ar condicionado, tanto no Verão como no Inverno. Se olharmos para a parte do fabrico, não sendo o vidro um material biodegradável, é infinitamente reciclável, ou seja, fabricamos vidro utilizando, em grande parte, como
matéria-prima, os próprios desperdícios de vidro. Estes desperdícios são tanto de origem nos
processos internos de fabricação, como também apostamos em reciclar o material que provém dos processos de transformação de vidro nos nossos clientes. Estamos ainda empenhados em recuperar e reciclar os vidros removidos dos edifícios em renovação. De salientar que a grande maioria destes desperdícios não requer nenhum tratamento
adicional e podem entrar diretamente para o processo de fusão para fabricação de novo vidro.

Quais os desafios tecnológicos que a área do vidro hoje enfrenta e aos quais a Saint Gobain procura responder?

Há um trabalho contínuo na procura de novas soluções que permitam ir ao encontro do
verdadeiro paradigma: controlar as trocas térmicas entre o interior e exterior dos edifícios, não comprometendo a luminosidade natural, nem a segurança. Os nossos produtos de capas, e também a nossa gama de vidros laminados, têm vindo a dar resposta a esta questão, mas o caminho está sempre em aberto para soluções cada vez mais capazes. Em paralelo, continuamos a trabalhar para desenvolver soluções de maiores dimensões – historicamente, as dimensões máximas fabricáveis dos painéis de vidro iam até ~20m2 (6,003,21), sendo que atualmente já conseguimos fabricar painéis com o triplo da superfície, ~60m2 (18,003,21).

Como lhe parece que esta área irá desenvolver-se num futuro próximo? Há espaço para a evolução deste setor?

Existe espaço para evoluir, tanto a nível de quantidade como em qualidade das soluções. Estes dois últimos anos ligados à pandemia, em que as pessoas estiveram presentes nas suas habitações por períodos mais longos, fizeram despertar em muita gente a vontade, e sobretudo a necessidade, de alterar muitas das soluções. As pessoas são hoje mais conscientes das vantagens de optar por uma solução que lhes permita uma poupança nos
consumos energéticos e que vá ao encontro da exigência de sustentabilidade. É por isso expectável que o segmento da renovação esteja muito ativo nos próximos tempos. Ao mesmo tempo, as novas construções já têm que obedecer a novos critérios no que toca à eficiência energética, pelo que as soluções a empregar serão necessariamente mais avançadas e com melhor performance.

Esta será uma área onde a Saint Gobain continuará a apostar?

Ninguém pode prever o futuro, mas não tenho dúvidas em responder afirmativamente, até por tudo o que acabámos de falar. Temos departamentos de I&D na procura contínua das
melhores soluções para vidros de alta performance. Por outro lado, buscamos também processos de fabrico cada vez mais avançados tecnologicamente e mais amigos do ambiente. Também o nosso dispositivo industrial a nível europeu é forte, diversificado e em constante atualização para estar preparado para dar resposta às necessidades e desafios que se avizinham. Estamos, também nesta área do vidro, alinhados com o nosso propósito: #MAKETHEWORLDABETTERHOME

 

Rui Oliveira in Valor Magazine

Também te poderá interessar